null População portuguesa pretende correr o mesmo ou mais após a pandemia

População portuguesa pretende correr o mesmo ou mais após a pandemia

Inquérito realizado pelo Maratona Clube de Portugal demonstra a vontade em voltar a participar em provas de estrada.

21/07/2020

O inquérito feito pelo Maratona Cube de Portugal (MCP), entidade apoiada pelo IPDJ, demonstra a vontade dos/as portugueses/as em voltar a participar em provas de estrada, se possível ainda em 2020, mesmo sem a existência de uma vacina.

Com um total de 1 652 respostas, o inquérito demonstra uma grande apetência dos corredores em voltar às provas de estrada, na sua maioria (60%) garantem pretender participar no mesmo número ou mais de provas. Quando questionados/as sobre «quando» consideram seguro voltar a participar, mais de metade dos/as inquiridos/as (55%) gostariam de voltar a participar ainda em 2020. Também é de realçar a confiança em participar em provas sem limite de participantes (45%). Destacam-se ainda os 76% de inquiridos/as que afirmam a sua predisposição em participar em provas de estrada antes da existência de uma vacina para a Covid-19.

No que se refere a fatores gerais ou decisões tomadas pelas autoridades competentes que reforçam a confiança dos participantes são de realçar uma taxa de contágio muito baixa ou zero (pontuação de 3,7 em 5 possíveis) e a autorização por parte da DGS para a realização das provas (3,1 em 5). Quanto às medidas que consideram mais relevantes a implementar pelos organizadores de provas destacam-se medidas como uma política «Se estiver doente, fique em casa» (3,7 em 5) e a manutenção da distância social em locais de concentração de corredores, nomeadamente na partida e na chegada (3,5 em 5).

O inquérito foi realizado no mês de Junho de 2020. O universo é composto por pessoas incritas nas provas do Maratona Clube de Portugal, entre Outubro de 2019 e Março de 2020, tendo respondido 1 041 atletas masculinos (63%) e 611 atletas femininas (37%) com idades compreendidas entre os 18 e 65 anos.

Carlos Moia, presidente do MCP afirma «este estudo é uma das iniciativas que o clube lançou durante este período de pandemia, a par das provas virtuais que promovemos nos últimos meses, por exemplo. A nossa preocupação #1 é a segurança das provas e dos participantes pelo que qualquer medida tomada da nossa parte para o regresso à organização de provas será sempre em consonância com as indicações das entidades competentes. O objetivo deste estudo serve acima de tudo para avaliar o sentimento dos corredores e perceber quais as suas preocupações, em relação à segurança nas provas de Estrada, perante a situação de saúde em que vivemos. Os resultados, e em particular a predisposição dos atletas em manter ou aumentar o número de provas, em que querem vir a participar após a pandemia, deixam-nos mais otimistas em relação à vontade dos portugueses em se manterem activos e com um estilo de vida saudável.»

Perante a situação de pandemia e as medidas da Direção-Geral da Saúde, o MCP viu-se forçado a adiar a realização das provas «EDP Meia Maratona de Lisboa» e «Vodafone 10Km», habitualmente realizadas em Março, da «EDP Corrida da Mulher» (Maio) e das provas de Outubro: «EDP Maratona de Lisboa» e «Luso Meia Maratona», para 2021. Sem possibilidade de realizar quaisquer provas de estrada até final de Setembro, o MCP mantém apenas agendado o «EDP Grande Prémio de Natal» para 15 de Dezembro. Com o objetivo de aferir a apetência da população para voltar a participar em provas de running e para perceber quais as medidas que a faria sentir-se mais segura e confiante, o Maratona Clube de Portugal lançou um inquérito, cujos resultados revelamos.

Consulte a apresentação dos resultados do inquérito aqui.

Atualizado em: 28/07/2021

SUBSCREVER NEWSLETTER

Newsletter subscrito com sucesso Não foi subscrever o Newsletter. Por favor tente mais tarde
logos-do-site

Utilizamos cookies no nosso site para lhe proporcionar a melhor experiência. Ao continuar a navegar, está a autorizar a nossa utilização destes cookies. No entanto, se pretender saber mais informações, nomeadamente como alterar as suas definições, consulte a nossa Politica.